terça-feira, 4 de outubro de 2011

UM PONTO ... AFINAL

-



(aquece-me hoje
a iridescência de ser
ínfima parte pulsante
num planeta à luz do sol)

saio de mim sem deter-me
em quezilices banais,
em valores de julgamento,
em crises interplurais,
em dores de ressentimento
(ou dolorosos sentimentos),
em águas superficiais,
em sabões de polimento:

e sou bola de sabão,
subo além das sete cores,
conquisto um ponto no espaço
que me clarifica a visão
e justifica o cansaço
de tantos ódios e amores...

do alto,
lá bem do longe,
somos só iridescências
se a luz nos toca a azul...

no fundo,
lá bem do alto,
somos um ponto final.






Nota:. a foto de cima é a minha participação no desafio FLIMPO#52 - Interior


-
Foto: F.Reis(c)2011 - um rebordo de bacia iluminada pela luz de uma lua quase cheia
Local: Bendafé
Poema: "Ponto Final" de Sterea, cit. in LUSO-POEMAS

-

5 comentários:

João Menéres disse...

Então boa sorte, caro Fernando Reis !

Sara disse...

Ando precisada da receita para essas "saídas" :)))
E... bem, creio que às vezes somos pontos finais, mas tantas outras vezes somos singelas reticências :)
Boa sorte, Fernando!

Fernando Reis disse...

JOÃO: agradeço e retribuo :)

(será difícil "bater" a participação de um certo grifo que - felizmente - plana por aí. Obviamente que todo o prazer estará em participar).


SARA: achei muito pertinente o facto de sermos, por vezes "singelas reticências. Surpreendeu-me. E isso é o mais importante.

Um abraço aos dois.

mfc disse...

Que saudades das bolas de sabão da nossa infância!!

lis disse...

Linda a foto Fernando
Nota máxima.
e gosto das suas escolhas poéticas, sempre levo pro meus arquivos de sonhos rs (com a sua permissao) ,claro e se replicar digo de onde me inspirei ok?
um abraço

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

OS 7 MAIS LIDOS