domingo, 10 de Fevereiro de 2013

DOMINGO DE FLORES: maravilhas

Maravilhas ... teria sido a resposta certeira ao desafio macroVEGETAL#22 - Dezembro de 2012.


 



Belas-noites, jalapa (jalapa-falsa ou jalapa-do-mato), boa-noite (ou bela-noite), bonina, maravilha-de-forquilha, batata-de-purga, pó-de-arroz, erva-de-santa-catarina, balsamina, beijo-de-frade ou ainda flor-de-quatro-horas são os nomes comuns da Mirabilis jalapa L. (e podiamos ficar a tarde toda a revelar outros como Clavillia, four-o’clocks, jalap, maravilla, bonita, a’bbass, beauty of the night, belle de nuit, bella di notte, buenas tardes, bunga pukul empat, dondiego de noche, false jalap, flower of a’bbas, gecesefase, geje safa, gulabbas, gulbank, gulbas, isabelitta, morning rose, marvel of Peru, nodja, noche buena, numera, pathrachi, sanji phuli, segerat, slavelilla, tiare moe, tzu mo li, ubat jerawat, zi mo li, entre outros), uma planta herbácea de porte arbustivo e perene (que atinge uma altura de cerca de 90 cm a 1 metro), rústica, de caule erecto e raiz grossa, da família das Nyctaginaceae.

M. Jalapa L. na bordadura de um caminho


Na designação actual o género deriva do latim Mirabilis (maravilha, maravilhoso ou admirável) e a espécie adopta a palavra Jalapa que é o nome de cidades em Guatemala e México (apesar de se acreditar que a planta tenha sido exportada a partir dos Andes Peruanos, cerca de 1540).

Descrita pela primeira vez em 1753, trata-se de uma planta ornamental nativa das regiões subtropicais das Américas, principalmente do Sudoeste da América do Norte, tornando-se naturalizada em todas as regiões tropicais e regiões temperadas, que gosta de exposição solar total para o seu desenvolvimento.





As folhas são opostas, pecioladas e membranáceas e as suas flores são vistosas, de coloração variada (amarelas, brancas ou avermelhadas) e nascem nas partes terminais dos ramos, com florescimento pleno no verão, tendo como principal característica o facto de "abrirem" preferencialmente, após o por-do-sol, "fechando" pela manhã e exalando um perfume suave e adocicado (sendo o principal motivo para a presença frequente de mariposas de língua longa da família Sphingidae e outros polinizadores nocturnos atraídos pela fragrância).

 
  

primeiras folhas dos novos rebentos

  

segundas folhas


 


Outro aspecto muito comum e curioso nesta planta prende-se com o facto de, no mesmo pé (como se pode ver nas diferentes fotos apresentadas), podermos encontrar flores de diferentes cores e, mesmo em flores isoladas, podermos encontrar manchas de cores diferentes. Encontrámos ainda algumas referências à possibilidade da mudança de cor das flores à medida que amadurecem.




Os frutos são rugosos e de cor escura (preta na maioria dos casos), esféricos, de aspecto algo semelhante à pimenta-do-reino (com a devida ressalva que no caso das maravilhas, os frutos, bem como as raízes, são considerados venenosos, devido à presença de substâncias neuro-tóxicas - um grande "senão" desta "bela"!).













Não tendo preferência quanto ao solo, necessita de clima quente e seco, pelo menos numa parte do ano e, normalmente, a propagação desta espécie faz-se por sementeira ou replicação de raízes (colhidas após a decumbência da parte aérea, nos climas - como o nosso - em que se verificam geadas frequentes).


Pelo que nos foi dado a observar directamente, outro aspecto interessante prende-se com a grande dificuldade de, uma vez instalada, eliminar esta planta (pelo menos fora da estação fria, quando a parte aérea entra em decumbência). Conjugam-se dois factores que, para a planta, são uma mais-valia reprodutiva: uma grande facilidade de destaque entre a parte aérea e a raiz (esta sim, de difícil remoção) e o facto de ser extremamente difícil efectuar esta operação sem que se espalhem pelas cercanias a maioria dos frutos maduros. É por este motivo que pensamos que a sua aplicação em projectos de natureza paisagística deve ser feita de forma cuidadosa e controlada, uma vez que notámos a tendência para, muito facilmente, esta planta se tornar numa infestante - o que pode ser vantajoso e até desejável, mediante as circunstâncias particulares de cada projecto - não o sendo de todo na maioria dos casos.

Em termos puramente paisagísticos destacamos como muito interessantes aspectos como a forma das suas folhas e dos seus frutos e, obviamente (sem nos esquecermos nunca do seu odor fragrante adocicado que atrai mariposas nocturnas), a coloração variada das suas flores e o facto de poderem ocorrer vários tons ou cores, ou misturas de cores, num só pé de planta, que tem por hábito a plena floração depois do por-do-sol. E recomendamos o seu uso em maciços (de preferência variados) e em canteiros de bordadura.

É ou não é uma maravilha?


BOM DOMINGO DE FLORES PARA TODOS!




_
Fotos: F.Reis(c)2012
Locais: Chaves, Bendafé, Vila Nova, Vila Real
Texto adaptados de vários autores
_

maravilhas na rede:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Mirabilis_jalapa
http://pt.wikipedia.org/wiki/Mirabilis
http://www.jardimdasideias.com.br/biblioteca-de-especies/67-mirabilis_jalapa
http://www.plantasquecuram.com.br/ervas/maravilha.html

Para finalizar, um vídeo - um dos muitos que poderão encontrar na rede - que mostra precisamente a abertura nocturna da flores da Mirabilis jalapa L. (variedade com as flores de um púrpura belíssimo) :

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

OS 7 MAIS LIDOS