quinta-feira, 7 de abril de 2011

RIO

-



Correm as águas do rio
Passam na agulheta do tempo
A mesma água não volta, nem pelo fio
Não repete a sua passagem, observo, lembro
A vida é como esse rio
Na superfície a velocidade instantânea
No fundo as correntes pesadas
As pedras roladas, as plantas prezadas
O que se esconde e funde no leito

Escorregadio que com os tempos feitos
Pouco mudam, pouco nadam
A vida de um rio, não é só a agua que passa
É as margens descoladas, divididas
São quem passa quem refresca
É a vida num todo que se compõe
É quem mergulha, quem acha
Quem muda, leva ou põe
É quem toca no fundo

Traz a vida que mergulha num rio também


-
Foto: F.Reis(c)2011.04.02
Local: Ribeira de S. Gonçalo, Stª Cruz da Castanheira (e/ou S.Vicente), Chaves
Poema: "Fluir de um Rio" de Deepmoon in LUSO-POEMAS

-

3 comentários:

ana disse...

Venho pedir ajuda científica para a identificação de uma árvore.
Se puder passar pelo (IN)Cultura ficarei muito agradecida!

Muito bonito este rio, esta água, esta passagem.
Abraço!

ana disse...

Caro Fernando Reis:
Foi útil, muito útil, já corrigi o meu post.
Muitíssimo obrigada pela sua descrição e pelo ensinamento. As cerejeiras-do-Japão - agora já sei o nome - são lindas!
Também gosto de Sakuras.
Estarei atenta à sua postagem sobre esta árvore tão bonita.
Um abraço!
Ana

Fernando Reis disse...

A grande vantagem de se saber ou não sobre determinadas "coisas" estará sempre no partilhar!

Um abraço!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

OS 7 MAIS LIDOS