segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

ás vezes basta mesmo!



Não há mal que me atinja
Nem riqueza que me seduz:
Basta-me um licor de ginja
E o brilho da tua luz!






Impossível resistir.
E a "culpa" é toda do João Menéres que me deu "aquele toque" por Óbidos e pelas suas coisas.






-
Foto: F.Reis(c)2011
Local: Óbidos
Poesia: excerto do poema "Licor de ginja" de Jaime da Silva Valente cit. in POETAS E ESCRITORES DO AMOR E DA PAZ

-

3 comentários:

mfc disse...

E às vezes é algo que nem sonhávamos que pudesse ter aquele efeito quase milagroso.

Sara disse...

Gosto muito da ginja e dos copinhos de chocolate em que é servida. Haja gula :)
O seu post fez-me lembrar uma visita a Montalegre que fiz este ano, onde provei um licor com um nome absolutamente sugestivo. Haja gula, como eu dizia :)
Um abraço e bom feriado.

Fernando Reis disse...

sem dúvida alguma MFC. Ás vezes é mesmo necessário...

Não posso deixar de sorrir com o sugestivo do licor, SARA ...


Viva a Gula!

Um abraço aos dois e um bom feriado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

OS 7 MAIS LIDOS